PARCERIA INTERNACIONAL

Tamanho da letra:

Agência das Bacias PCJ assina termo de cooperação técnica com associação de municípios da América Central

Parceria com a Mancomunidad Trinacional Fronteriza Rio Lempa, que reúne 25 municípios de El Salvador, Honduras e Guatemala, visa apoiar as prefeituras da América Central a implantar gestão de recursos hídricos e, de forma conjunta, buscar recursos financeiros em “fundos verdes” para as duas regiões

Uma parceria firmada na manhã de hoje (18/04/2017) entre a Fundação Agência das Bacias PCJ e uma associação de 25 municípios de El Salvador, Honduras e Guatemala, deverá ajudar a entidade com sede em Piracicaba a aprimorar a sua atuação na área de reflorestamento e tratamento de esgoto, além de ajudar as prefeituras da América Central a melhorarem a gestão dos recursos hídricos naquela região, onde apenas 3% do esgoto passa por tratamento atualmente.

O termo de cooperação para o desenvolvimento de ações conjuntas na área de gestão integrada dos recursos hídricos foi assinado no Gabinete do Prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, atual presidente dos Comitês das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Comitês PCJ). Além de Barjas e da comitiva formada por oito prefeitos e também técnicos dos três países da América Central, participaram do evento os diretores da Agência PCJ, Sergio Razera (presidente), Patrícia Gobet de Aguiar Barufaldi (Técnica) e Ivens de Oliveira (Administrativo e Financeiro), e o presidente do Semae (Serviço Municipal de Água Esgoto), José Rubens Françoso.

Razera explicou que o convênio é importante para as prefeituras da América Central porque elas precisam conhecer o processo pelo qual as cidades das Bacias PCJ passaram para se organizarem em relação à gestão hídrica, mas também poderá auxiliar as Bacias PCJ a captar recursos no exterior. “A situação deles atual é muito parecida com a que tínhamos há 30 anos: prefeito brigando com outro prefeito, população de um município brigando com a da cidade vizinha por conta de falta de tratamento de esgoto, falta de água ou de proteção ambiental. Eles precisam de nós para essa experiência e nós vamos aproveitar uma capacidade que eles têm de buscar recursos, principalmente dos chamados ‘fundos verdes’, que são recursos disponíveis mundo afora - especialmente na comunidade europeia-, aplicados em reflorestamento, em tratamento de esgoto e outras questões, principalmente de proteção ambiental”, explicou o diretor-presidente da Agência PCJ. “Eles conhecem esses caminhos (para obter recursos internacionais) que nós ainda estamos tentando aprender. E nós vamos passar um pouco das nossas experiências, dificuldades que tivemos, que tipo de leis e acordos foram feitos para fazer a gestão funcionar de forma organizada”, completou Razera.

Para Héctor Alonso Aguirre, gerente geral da Comunidade Trinacional da Fronteira do Rio Lempa e líder da comitiva, o grupo espera que “esse convênio possa ser um mecanismo de trabalho conjunto para o futuro”. “Os prefeitos têm uma expectativa de estabelecer uma relação de trabalho com a Agência PCJ para aprendizagens, intercâmbio de experiência, também para conhecimentos que vocês já alcançaram aqui. Além disso, procurar fundos de forma conjunta para poder fazer projetos conjuntos, tanto na América Central como no Brasil. ”, comentou.

Durante a apresentação, o prefeito de Piracicaba destacou a mobilização dos prefeitos na constituição do Consórcio PCJ e dos Comitês PCJ e explicou como tem sido planejada a gestão dos recursos hídricos nas Bacias PCJ, que abrange 76 municípios e conta com a Agência PCJ como “secretaria executiva” e executora das decisões dos Comitês. “Aqui há e sempre houve um compromisso público em defesa dos rios, independentemente da questão partidária. Isso permitiu uma união para que o Consórcio, Comitês e Agência funcionassem bem. Tivemos presidentes dos Comitês e do Consórcio de vários partidos políticos. Isso não foi problema para que a gente pudesse avançar na Bacia”, destacou Barjas.

Após a assinatura da parceria, a comitiva visitou a ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) Ponte do Caixão, inaugurada em 2012, com capacidade para tratar esgotos de uma população de 150 mil habitantes. Na região desses 25 municípios da América Central, somente 3% do esgoto passa por tratamento. Em Piracicaba, segundo dados do Semae, 99% do esgoto é coletado e desse total, 100% é tratado. Nas Bacias PCJ, a coleta é de 90% e o tratamento chega a 72%. A comitiva, formada por 15 pessoas, entre prefeitos e técnicos, chegou a Piracicaba na segunda-feira, quando participou de reunião na Agência PCJ. A última atividade em Piracicaba foi a visita à ETE Ponte do Caixão.