Após 30 anos em processo de despoluição, Rio Jundiaí oferece água para uso doméstico na região de Salto

Tamanho da letra:

Nesta segunda-feira, 24, Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CRH) anunciou, em reunião no Palácio dos Bandeirantes, a reclassificação da qualidade da água do rio de 4 para 3 no trecho que abrange a cidade de Salto

O reenquadramento da classe de qualidade do rio Jundiaí foi aprovado formalmente no final da tarde desta segunda-feira(24/04/2017), durante reunião extraordinária do CRH (Conselho Estadual de Recursos Hídricos). Essa foi a etapa final do processo. A análise e votação, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, foram conduzidas pelo secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos e presidente do CRH, Benedito Braga.

O reenquadramento abrange dois trechos do rio Jundiaí, que somam 56 quilômetros de extensão. O pedido, feito pela Cetesb e prefeitura de Salto é para que os trechos, atualmente pertencentes à classe 4 (pior classe, não permite captação para abastecimento público), sejam reenquadrados na classe 3, em que as águas podem ser destinadas ao abastecimento doméstico, após tratamento convencional.

Com a decisão do CRH, os 128 quilômetros do Rio Jundiaí, desde a nascente, em Mairiporã, até a foz, no rio Tietê, em Salto, passaram a ser considerados próprios para o abastecimento. Em 2014, outro trecho do rio foi reenquadrado, da classe 4 para a 3, permitindo a captação de água para abastecimento em Indaiatuba.

A "despoluição" é resultado de 33 anos de estudos, projetos e investimentos, parte deles feitos pelos Comitês PCJ e Agência das Bacias PCJ. O resultado foi bastante comemorado pelo prefeito de Salto, José Geraldo Garcia, empossado membro titular do CRH na mesma data. Agora, o município poderá captar água do rio Jundiaí para abastecimento.

“Essa tarde vai ficar marcada na minha história e na história de Salto. O rio Jundiaí tem a ver com a história da nossa cidade. A foz está lá no nosso Tietê. Estou muito feliz em saber que, a partir de agora, junto com os técnicos, nós podemos ter a certeza de que é possível o aproveitamento dessas águas”, ressaltou Garcia.

Segundo o prefeito, essa captação vai ser “fundamental” para a população de Salto. “Nós só temos um manancial: o rio Piraí, que é muito pequeno. É o grande drama que nós estamos tendo. Então, o Jundiaí vai ser muito importante. Saio aqui de São Paulo, ladeado pelos amigos do PCJ, com muita alegria no coração, e vou levar à minha comunidade essa notícia”, comemorou. “Ainda teremos uma caminhada pela frente, muitos estudos, muita coisa a ser feita, mas essa tarde abre uma luz legal, que antes não tínhamos”, concluiu o prefeito.

A reunião também foi acompanhada por Sergio Razera, diretor-presidente da Agência das Bacias PCJ, Sebastião Bosquilia, coordenador da Câmara Técnica de Outorgas e Licenças (CT-OL) e secretário adjunto dos Comitês PCJ, Paulo Roberto Tinel, presidente do Conselho Deliberativo da Agência das Bacias PCJ, e Domênico Tremaroli, coordenador do GT (Grupo de Trabalho) Enquadramento.

“O reenquadramento foi um assunto bastante tratado e por um longo período na CT-OL, concluído com a deliberação 203 dos Comitês PCJ, que hoje (24/04) foi aprovada no CRH, fruto de uma longa discussão entre todos os setores e Câmaras Técnicas que participaram ativamente na elaboração do documento”, destacou Bosquilia. “Para efetivação do programa de reenquadramento na classe 3 são demandados estudos, projetos, investimentos, enfim, a melhoria dos tratamentos, acompanhado de um relatório bianual do DAEE (Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica) e da Cetesb”, explicou o secretário adjunto dos Comitês PCJ.